Mais coisas que aprendi com meu celular

Pois é, faz um tempo, eu já coloquei aqui algumas coisas que eu tinha aprendido com o meu celular… Mas eu já aprendi mais algumas!

De qualquer forma, o ponto é que, se a gente parar pra pensar, que estranho um aparelho tão pequeno ser tão, digamos, marcante!
Responda rápido: qual você acha que te define mais, o seu desktop, o seu laptop ou o seu celular?
No meu caso, eu já posso dizer que é o celular. É ele quem fica comigo o tempo todo, o dia todo, onde guardo meus contatos, anoto a minha planilha de gastos e até uso para internet, de vez em quando. Ouço música, ouço rádio, tiro fotos…
O meu desktop é mais uma central de organização, mesmo: os arquivos de música, vídeos e fotos – que acabam no celular. Mas o "computadorzão" é mais para trabalho, mesmo, no final. Claro que tem toques pessoais meus: os programas que uso (o que também ocorre no celular), as cores que escolho (idem), como organizo a área de trabalho (nem tão idem), etc.
É, vai ter gente chiando, mas é fato: esses bichinhos já fazem parte de nossas vidas, vieram pra ficar, gostamos deles! Acabam sendo uma peça muito íntima nossa, por nos acompanharem onde vamos, por nos darem praticidade, mobilidade. E é por essas e outras que:

– tem que pensar MUITO antes de comprar um! Especialmente porque não é tão fácil trocar depois!
– ele tem que estar sempre com você, te ajudando! Se atrapalhar, comece a juntar grana pra outro – e arme-se de muita paciência!
– se um botão não responder de pronto, respire fundo e espere um pouco. Tem horas que gente pede mais do aparelho do que ele pode dar.
– se ele não responder na segunda vez, o problema é nele, mesmo! Reinicie o aparelho.
– se nem isso adiantar, volte para o segundo item desta lista!

Só que, aqui, cabe uma ressalva importantíssima. Releiam o que escrevi acima: "tem horas que a gente pede mais do aparelho do que ele pode dar".
O relacionamento com o celular tem dois lados: o aparelho e o usuário! Os dois têm que funcionar em harmonia. Não, não fiquei louco, não: é isso mesmo! E, sabem, eu não troco de celular toda hora, mas aprendi uma coisa, talvez o item principal desta história toda:

– o melhor celular do Mundo não vai fazer de você uma pessoa melhor!

Pois é, lamento profundamente, mas não adianta torrar milhões num aparelho, achando que você vai conseguir ficar melhor do que é por causa dele! Você vai conseguir fazer coisas com mais praticidade e vai fazer mais coisas, mas vai continuar sendo a mesma pessoa! Não ponha suas esperanças num aparelhinho, por melhor que ele seja.
Ok, admito: ainda assim, dá um prazer desgraçado ter um celular de último tipo, tirar do bolso, olhar pra ele e pensar "uau, que puta celular eu tenho!!"! 
Só que chega uma hora que isso acaba, e o que passa a valer é o uso que VOCÊ faz dele!

FUI!
Anúncios

Fotolog: 1984

Digitalizar0003

Eu já tinha publicado esta foto há algum tempo, mas numa definição pior. Agora, de posse da original, fiz uma digitalização com um pouco mais de qualidade.

Nesse processo, a primeira coisa que eu percebi é uma criancinha loira escondida nas sombras, no lado direito da foto, coisa que eu não tinha visto antes. Tenho até um palpite de quem seria, mas não tenho certeza. Fora da sombra, da esquerda para a direita, minha prima Elisa (em cuja casa a foto foi tirada), eu e a minha irmã, Daniela.

Também pude ver a marcação feita pelo laboratório fotográfico Curt, no canto inferior esquerdo (reparem no robozinho: era o símbolo deles), com a data da revelação: dezembro de 1984. A foto pode ter sido tirada antes, mas o quanto antes? Dias, meses?

Vamos trabalhar com dias: dezembro de 1984. Não vou mexer nas idades das meninas (sei que elas não gostam), mas eu estava com 10 anos e 2 meses. Tinha acabado de concluir a 3a série do primário (não sei e nem quero saber como se chama isso, hoje). Faltava um mês para o Rock in Rio. Estávamos nos efervescentes anos 80! Eu já morava na casa que deixei há apenas 8 meses (estou com 35 anos e meio).

Olhando para essa foto, me pergunto: quem era esse guri?

Eu mesmo me respondo: provavelmente, o mesmo homem que está digitando agora, só que menos arqueado pelo tempo.